Olá, caro leitor do site CVI-Rio!

Só para vocês entenderem toda a polêmica da Flip, logo depois do evento, no dia 02 deste mesmo mês, Conrado Hübner, Doutor em Direito e Professor na USP, escreveu em sua coluna no site da Revista Época a nota “Flip proibida para cadeirantes” em que pontuava que Paraty continuava uma cidade inacessível e inóspita. Depois de contar sobre a saga de seu irmão para conseguir chegar aos eventos, ele finaliza seu texto dizendo que: “é uma escolha, não uma fatalidade. Uma escolha que gera efeitos discriminatórios, em desacordo com a lei. Com 17 anos de atraso, que a Flip 2019 fique atenta a isso. E seus patrocinadores também”.

Leia mais: https://epoca.globo.com/conrado-hubner-mendes/flip-proibida-para-cadeirantes-22942201#ixzz5OpGyor4j

Exercendo seu direito de resposta, Mauro Munhoz, Arquiteto e Diretor Geral da Flip, argumenta alguns dias depois que o evento sempre trabalhou na questão da acessibilidade nas intervenções realizadas para os cinco dias de Festa Literária, como os auditórios da Matriz e da Praça, e em projetos urbanísticos doados para o município de Paraty. “Exemplos disso são a requalificação da margem esquerda do Rio Perequê-Açú, projeto executado pela prefeitura que criou 2.000 metros de calçadas acessíveis”.

Ele também alegou que a Flip contribuiu com o Plano Mar de Cultura que tinham ações de recuperação e requalificação do pavimento original das ruas do Centro Histórico de Paraty e atendiam a todos os critérios de acessibilidade. “Ao longo desse período, a Flip realizou o restauro e a requalificação da Praça da Matriz com acessibilidade plena e doou à Prefeitura o projeto de articulação acessível entre a Praça e o estacionamento onde, neste ano, foram montados os auditórios da Praça e da Matriz”.


Depois das trocas de textos sobre o assunto e a grande defesa da Flip, nosso Presidente José Carlos Morais pôde expressar com convicção sobre os fatos discutidos. Confira abaixo!

Li com a atenção merecida a crônica de Conrado Hübner Mendes, “A Flip não é para cadeirantes”. Motivos não me faltaram para tragar cada linha com prazer. Parceiro de lesão medular do seu irmão, só que paraplégico, estive em Paraty como convidado a participar da Flip, na Casa Libre, no debate “A literatura como elemento de inclusão”. Apesar das péssimas experiências anteriores, resolvi ignorar o piso inadequado, as calçadas e casas inacessíveis. Afinal de contas era um momento único para debater minha autobiografia, “Roda Vida – memórias de um cadeirante”, lançada ano passado. Ao ler o texto, tive vontade de aplaudir e agradecer a enorme sensibilidade.

Agora, leio a carta do Munhoz em resposta à crônica de Conrado. Parece que mesmo sendo arquiteto, acessibilidade não é seu forte. O propagado acesso pleno à Praça da Matriz é parcial. Quando vi a rampa meu corpo sorriu de felicidade. Enfim poderia alcançar o auditório do outro lado da praça sem os sacolejos de até então. Entretanto, logo percebi que a rampa era única e não poderia atravessar a praça. Faltaram rampas, mesmo que móveis, às casas parceiras e não havia estacionamento com as dimensões corretas para os cadeirantes. Mas, principalmente, faltou orientação por onde as pessoas com deficiência poderiam se mover com as facilidades mencionadas por Munhoz, como nos 2.000 metros de calçadas acessíveis na orla. Não achei divulgação dos restaurantes e pousadas adaptadas. Enfim, fomos desamparados em relação à informação.

Adaptar Paraty é um baita desafio. Como Munhoz propõe, devemos dialogar com todos aqueles que possam trazer novas demandas, ideias e soluções. Coloco nossa organização, o Centro de Vida Independente do Rio de Janeiro (CVI-Rio), com 30 anos de experiência em conduzir adequações de espaços urbanos, como potencial parceira da Flip para orientar nessa acessibilidade.

Para finalizar salientaria que um evento inclusivo não é apenas oferecer acessibilidade e sim dar uma maior representatividade e visibilidade às pessoas com deficiência. Que venha 2019 com uma Flip mais acessível e mais inclusiva.

José Carlos Morais

Presidente do CVI-Rio




Deixar uma Resposta